Campanha Salarial 2018 – Um novo cenário pós reforma trabalhista

abril 1, 2018 No Comments »
Campanha Salarial 2018 – Um novo cenário pós reforma trabalhista

Campanhas Salariais 2018

Na avaliação do presidente da CNTQ, Antonio Silvan Oliveira, as negociações salariais nunca foram fáceis para o setor laboral: “sempre enfrentamos resistência dos patrões e de seus representantes, no entanto, estas serão as primeiras campanhas salariais desde a aprovação da reforma, por isso, precisamos de ainda mais atenção. Nossa mobilização e o envolvimento dos trabalhadores junto aos desafios das negociações é que irão fazer a diferença neste momento”.

“São poucas as empresas que realmente tem respeito pelos seus trabalhadores! Podemos constatar isso quando entregamos a Pauta de Reivindicações. Ora, sempre lutamos pela melhoria do ambiente de trabalho e valorização do empenho do trabalhador que resulta, inclusive, no crescimento do negócio. Entretanto, precisamos assegurar sempre o ganho do trabalhador!”

Em conversa com os presidentes das Federações filiadas, eles informaram como está o processo negocial após a reforma trabalhista:

Sergio Luiz Leite – Presidente da FEQUIMFAR – (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo)

“Para fortalecer nossa luta nesta campanha salarial, estamos unindo forças com outras categorias. Temos que manter a unidade de ações contra os impactos da reforma trabalhista nos direitos dos trabalhadores. Estamos na luta por medidas que fortaleçam as estruturas sindicais com o objetivo de equilibrar o processo de negociação coletiva, valorizando a autonomia das negociações e preservando os direitos conquistados.”

Francisco Carlos Queiroz – Vice-Presidente da FERQUIMFAR – (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias do Ramo Químico, Farmacêutico e Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro)

“Na maioria das negociações, estamos enfrentando muita resistência dos patrões para conseguir ganho real. As empresas estão oferecendo apenas a reposição do INPC alegando que a crise e a inflação dificultam as ofertas, neste cenário estamos tentando avanços nas cláusulas sociais, está difícil de conversar com o patronal, depois da reforma eles vem impondo os termos e muitos trabalhadores nas assembleias acabam aceitando os termos com medo de sofrer retaliação da empresa caso recusem as propostas. Este está sendo o cenário que a reforma criou para os trabalhadores.”

Carlos Luís Cassiano – Presidente da FEMQUIFERT – (Federação Mineira dos Trabalhadores Nas Indústrias Químicas, Plásticas, Farmacêuticas e Fertilizantes de Minas Gerais)

“Até o momento, não tivemos agendada a reunião referente ao início das negociações da campanha salarial. Enquanto aguardamos este agendamento, estamos realizando negociações de ACT (acordo coletivo de trabalho) por empresa. Com a entrada da reforma trabalhista, algumas empresas estão tirando o máximo de vantagem das mudanças, desde a homologação até os benefícios, infelizmente o trabalhador acaba sendo o prejudicado com as fragilidades criadas com a reforma.”

Larri dos Santos – Presidente da FEQUIMFARS – (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado do Rio Grande do Sul)

“Antes da aprovação da reforma trabalhista já estava difícil o processo negocial com alguns setores, em agosto daremos início as nossas campanhas salariais, vamos ver quais serão os novos desafios nas negociações.”

Arnaldo Antunes– Presidente da FEQUIM – (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas do Centro-Oeste)

“Estamos em campanha salarial nos setores Químicos e Farmacêuticos da categoria não organizada do Distrito Federal e Mato Grosso do Sul com data-base em 1º de abril. O processo negocial está no início, a pré-pauta já está feita, agora vamos marcar reunião com os representantes patronais para darmos andamento na campanha. Nas assembleias os trabalhadores estão aprovando o desconto da contribuição sindical, estamos tendo em média de 90% de adesão, muitos trabalhadores estão vendo que o sindicato é um grande aliado neste momento de incertezas, e com a entrada da reforma trabalhista estas incertezas só tendem a aumentar.”

Luís Marcelo Ferreira – Presidente da FIP – (Federação Interestadual dos Propagandistas)

“Estamos dando início às conversas com os representantes patronais. Estamos negociando o reajuste de 3% + o INPC e manutenção das cláusulas econômicas e sociais com validade de 2 anos. A crise econômica ainda vem sendo um fator que pesa muito na mesa de negociação e a reforma trabalhista também dificulta algumas coisas, porém, estamos enxergando um bom caminho no diálogo junto ao patronal.”

Fernando Ferreira de Oliveira – Presidente da FEPROVENONE – (Federação dos Sindicatos de Propagandistas, Propagandistas-Vendedores e Vendedores de Produtos Farmacêuticos do Norte e Nordeste)

“A união da categoria é de grande importância nesse processo negocial, pois a reforma trabalhista criou ainda mais dificuldades nas negociações. Vamos estar reunidos com o patronal para darmos início à campanha salarial. Neste primeiro momento estamos negociando o reajuste salarial sendo o INPC + 3% de aumento real e a manutenção das cláusulas sociais. Vamos aguardar a proposta patronal para darmos andamento ao processo.”

Alexsandro Cardoso Diniz – Presidente da FEPROP – (Federação dos Propagandistas e Vendedores de Produtos Farmacêuticos do Estado do Rio de Janeiro)

“Estamos trabalhando para garantir a manutenção dos direitos, temas como ultratividade da norma e homologação, estão sendo negociados para serem mantidos como estavam em nossa CCT antes da mudança da lei. Lutamos também pelo reajuste com 3% de aumento real + o INPC. Após a reforma, muitas empresas estão apostando nas mudanças para tentar retirar os direitos dos trabalhadores. Estamos empenhados em não deixar que este cenário de desmonte de direitos aconteça.”

Views All Time

Views All Time
1082
Views Today

Views Today
2