Trabalhadores da indústria plástica de Criciúma rejeitam troca de representação sindical

agosto 1, 2017 No Comments »
Trabalhadores da indústria plástica de Criciúma rejeitam troca de representação sindical

“Nossas assembleias foram filmadas e fotografadas flagrantemente a mando da empresa, com a nítida intenção de constranger os trabalhadores”, denunciou

Luís Alberto Alves/Comunicação CNTQ

Mesmo sob intensa pressão e flagrante assédio moral, trabalhadores das três unidades e de todos os turnos da empresa Teixeira Sacarias, de Forquilhinha e Cocal do Sul, por unanimidade rejeitaram em assembleias realizadas nesta segunda-feira (31), em frente as unidades industriais, a mudança de representação sindical promovida pela nova gestora da empresa.

A nova direção patronal decidiu que os seus empregados não são mais representados pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Plásticas, Químicas e Farmacêuticas de Criciúma e Região, como ocorria desde 2001, mas pelo Sindicato do Vestuário.

O motivo alegado pela empresa é que parte de seus empregados utilizam máquinas de costura para fechar “big bags”, apesar de produzidos totalmente em plástico em todo o processo industrial.

Empresa filmou os funcionários que participaram da assembleia

“Visitamos as três unidades da empresa, sendo duas em Forquilhinha e uma em Cocal do Sul e não temos a menor dúvida, a atividade desenvolvida tem total vínculo com a categoria que representamos, inclusive é de plástico o fio utilizado para fechar os big bags”, explicou o presidente do Sindicato, Carlos de Cordes, o Dé.

O mais importante, acrescenta, é a vontade dos trabalhadores. “Todos os que compareceram às assembleias que convocamos, sem exceção, se negam a ser representados por outro sindicato que não seja o nosso e até abaixo-assinado fizeram, apesar de toda a pressão da diretoria da empresa”, disse.

O assédio moral aos trabalhadores, informa de Cordes, será denunciado ao Ministério Público do Trabalho. “Temos depoimentos de trabalhadores que foram advertidos por terem participado de assembleia; chefes e supervisores fizeram ameaçadas veladas ao pessoal antes das assembleias e já se fala em demissões em represálias a trabalhadores que externaram suas insatisfações”, relata Dé.

Além disso, completa o dirigente “nossas assembleias foram filmadas e fotografadas flagrantemente a mando da empresa, com a nítida intenção de constranger os trabalhadores”, denunciou. Conforme ele, não há outra alternativa. “A empresa tem que rever sua posição, retornar a realidade anterior ou enfrentar as consequências de uma decisão equivocada, afinal big bag é algum tipo de roupa que as pessoas usam?”, questiona o presidente.

Views All Time

Views All Time
69
Views Today

Views Today
1