Acidentes de trabalho e doenças laborais afastam seis trabalhadores por dia na PB

março 13, 2018 No Comments »
Acidentes de trabalho e doenças laborais afastam seis trabalhadores por dia na PB
*MPT

Em seis anos, afastamentos geraram R$ 128 milhões em gastos

Por dia, seis trabalhadores na Paraíba são afastados das suas funções por acidentes de trabalho e doenças laborais. Foram 2.171 afastamentos registrados somente em 2017 e 15.604 nos últimos seis anos, ou seja, 15 mil famílias paraibanas que vivenciaram esse drama de perto. Além do grave problema social, esses afastamentos geraram mais de R$ 128 milhões de gastos previdenciários entre 2012 e 2017, dos quais R$ 9,4 milhões só no ano passado.

Além desse cenário, outra realidade é ainda mais dramática: nos últimos seis anos, cerca de 15 mil trabalhadores brasileiros não voltaram para casa porque entraram para as estatísticas de vítimas fatais de acidentes de trabalho. Desses, pelos menos 114 eram da Paraíba. Por dia, pelo menos oito trabalhadores, no Brasil, morrem em acidentes no trabalho.

“Além da perda de mais de 15 mil vidas humanas, são 2.500 famílias que ficam órfãs a cada ano devido à negligência de empregadores que não consideram o trabalho seguro como condição para o trabalho digno”, alertou o procurador-Geral do Ministério Público do Trabalho, Ronaldo Fleury.

Paraíba é o 6º que mais afasta trabalhadores – Todos esses dados são do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho e foram apresentados na última segunda-feira (5), na sede do MPT, em Brasília, em evento que divulgou números atualizados.

A ferramenta mostra números de acidentes de trabalho, afastamentos, gastos, áreas onde mais ocorrem e lesões mais frequentes, permitindo, inclusive, filtrar dados por estados e municípios. Com 15,6 mil trabalhadores afastados nos últimos seis anos (2012 a 2017), a Paraíba aparece em 6º lugar no Nordeste e 18º no País com mais afastamentos.

Para Ronaldo Fleury, a ferramenta – que é alimentada automaticamente por meio do cruzamento de dados públicos – permite ao próprio governo elaborar políticas públicas mais dirigidas e eficazes na área da saúde e segurança do trabalho.

Os dados mostram que as maiores vítimas são os trabalhadores de menor remuneração e que têm também mais lesões incapacitantes. Além disso, mostram que o principal agente causador de acidentes de trabalho no Brasil são máquinas e equipamentos.

Segundo o Observatório, na Paraíba, foram registrados 17.286 acidentes de trabalho desde 2012: média de um acidente a cada 3 horas. Só em 2018, já somam 513 notificações de acidente de trabalho. No Brasil, foram 3,9 milhões de notificações de acidente de trabalho, de 2012 a 2017 (um acidente a cada 48 segundos). Este ano, já foram registradas mais de 100 mil notificações no País.

O Observatório pode ser acessado no endereço https://observatoriosst.mpt.

R$ 26 bilhões – São os custos dos acidentes de trabalho no Brasil para a Previdência, entre 2012 e 2017. Só em 2018, os gastos já somam quase R$ 800 milhões, com pagamento de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, auxílio acidente e pensão por morte.

“O Observatório fornece dados para um planejamento mais eficaz para a prevenção e para a mudança dessa inconcebível realidade de acidentes e doenças laborais”, afirmou o procurador-chefe do MPT na Paraíba, Carlos Eduardo de Azevedo Lima.

MPT e Cerest – Na última terça-feira (6), o procurador-chefe do MPT na Paraíba Carlos Eduardo de Azevedo Lima reuniu-se com o coordenador do Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador (Cerest) João Pessoa, Kleber José da Silva. Foi discutido um estreitamento ainda maior da relação interinstitucional, com previsão de diversas medidas voltadas para a intensificação da prevenção a acidentes e doenças relacionadas ao trabalho, com realização de cursos e treinamentos específicos e operações conjuntas na área do meio ambiente do trabalho.

Views All Time

Views All Time
78
Views Today

Views Today
1